top of page
Buscar
  • Foto do escritorDra. Jamile Rosário Kalil

O câncer de esôfago é mais comum entre os homens. Entenda os motivos

O câncer de esôfago é o sexto mais frequente entre os homens e o oitavo mais comum no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mas, por que o gênero masculino tem duas vezes mais chance de desenvolver o câncer de esôfago do que as mulheres?


Neste artigo, você entenderá por qual razão as estatísticas são tão desfavoráveis para a população masculina e por que o número de casos vem aumentando significativamente.


Câncer de esôfago: o que dizem as estatísticas?


Os dados mais recentes do INCA a respeito do câncer de esôfago, coletados no ano de 2022, mostram que de 10.990 novos casos, 8.200 foram homens diagnosticados com a doença, um percentual de 74,61%.


Já em relação ao número de mortes, dos quase 11 mil novos casos anuais, 8.307 morreram, sendo 6.465 homens e 1.840 mulheres. Dados de 2020 do Atlas de Mortalidade do Câncer.


O que aumenta o risco para o desenvolvimento do câncer de esôfago


● Consumo frequente de bebidas muito quentes;

● Obesidade;

● Tabagismo;

● Histórico de câncer no pescoço ou pulmão;

● Infecção pelo HPV;

● Histórico de acalasia, tilose e outras doenças do esôfago;

● Exposição a poeira tóxica de construção civil, carvão ou metal, assim como vapores de combustíveis fósseis, herbicidas, óleo mineral, ácido sulfúrico e fumaça de fumo.


Por que os homens são mais afetados pelo câncer de esôfago?


Além dos hábitos, que podem estar associados em grande maioria ao gênero masculino, a exposição a materiais tóxicos é um dos principais pontos a se considerar como um motivo pelo qual os homens são mais afetados pelo câncer de esôfago.


Trabalhadores da construção civil, eletrônica, metalúrgica, mineração, indústria de couro e agricultura, além de engenheiros eletricistas, extratores de petróleo, motoristas de veículos a motor, mecânicos, trabalhadores de lavanderias, lavagem a seco e serviços gerais, apresentam um maior risco de desenvolvimento da doença.


Prevenção


Uma das principais formas de prevenção é a interrupção do tabagismo, seja o paciente ativo ou passivo.


Mas o que isso quer dizer?


Mesmo as pessoas não fumantes, mas que convivem com quem é, acabam se intoxicando pela fumaça, em quantidades menores que o próprio fumante, mas suficiente para provocar danos a saúde em médio e longo prazo.


Por que o fumo é tão decisivo no desenvolvimento dos quadros de câncer de esôfago?


Como já dito em parágrafos anteriores, o tabaco acelera processos já difundidos por outros fatores de risco desse tipo de câncer.


Claro, uma vez que essas pré-disposições estão atrelados às consequências de um dia de trabalho de boa parte da população masculina. O hábito do tabagismo faz com que as chances de desenvolver a doença sejam ainda maiores.


Além disso, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e manter o peso corporal também são indicativos de uma boa saúde, não só contra o câncer de esôfago.


Pessoas com refluxo também tem mais chances de desenvolver o câncer de esôfago


Boa parte da população, vez ou outra na vida, já apresentou algum indício de refluxo gastroesofágico, porém, muitos deixam de tratá-la.


E aqui vai um alerta para este comportamento negligente com a própria saúde!


O tratamento da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) pode ser simples, prático e dependendo de onde você mora pode até mesmo não gerar custo algum.


A ingestão de chá de gengibre pode ser usada para auxiliar na melhora do refluxo gastroesofágico. Sendo uma forma natural feita das próprias raízes do gengibre. Essa raiz é encontrada em supermercados e feiras orgânicas, assim como é um complemento eficaz para quem tem um grau mais acentuado da doença e precisa de medicação específica.


Além disso, tratar a doença do refluxo previne não só o câncer de esôfago, como também o câncer de garganta.


Outras formas de prevenção


O uso de camisinha durante a relação sexual também é uma maneira de prevenir contra o câncer de esôfago, já que a contaminação com vírus HPV aumenta os riscos de desenvolver a doença.


Entretanto, vale lembrar que o consumo de bebidas quentes acima dos 60 graus, não só aumentam os riscos de desenvolver o câncer esofágico, como também podem causar irritação no tubo, trazendo propensão para outros tipos de doença, tal como a acalasia.


Atenção aos sintomas!


Fique atento se você sentir:


● Dificuldade ou dor ao engolir;

● Dor atrás do osso do meio do peito;

● Sensação de obstrução na passagem do alimento;

● Perda de apetite;

● Náuseas;

● Vômitos.


Cuidar da saúde não é tarefa fácil, mas muito necessária.


Tratamento


Assim como em todo câncer, o diagnóstico precoce aumenta as chances de cura. O tratamento mais comum para o câncer de esôfago é a cirurgia, que pode ser seguida por quimioterapia ou radioterapia.


Se você identificar os sintomas ou sinais listados, procure um especialista. O câncer tem cura, mas requer diagnóstico precoce.


Veja como o Centro Paulista de Endoscopia pode te ajudar, acesse aqui!


113 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page